Apresentação do Colóquio

O VI COLÓQUIO INTERNACIONAL HISTÓRIA DA ARTE: Imagem Ilusionista – Imagem Perspéctica: Pintura e arquitetura do Tempo Colonial - Manuel da Costa Ataíde e sua pintura ilusionista, busca refletir sobre as manifestações artísticas, culturais e metodológicas da obra de arte entre os séculos XVI e XX na Europa e na América, evidenciando a pintura ilusionista, análise sobre a representação perspéctica e arquitetônica, como ainda estudos específicos sobre a tratadística entre o Renascimento e o Rococó.

 

A edição 2017, deste evento que é bianual,  se realizará em Mariana (MG) entre os dias 27 e 29 de Outubro de 2017 e discutirá ainda, a produção artística de Manuel da Costa Ataíde, pintor marianense do século XVIII/XIX e importante expoente da pintura em perspectiva do período colonial em Minas Gerais.

 

Dessa forma, pretende-se reunir neste Colóquio, pesquisadores e especialistas, com o propósito de:

 - Aprofundar discussões atuais no campo da História da Arte e da história da ciência;

 - Desenvolver novas metodologias de pesquisa;

 - Desenvolver novas formulações teóricas;

 - Realizar trabalhos conjuntos e promover o intercâmbio entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros;

 - Organizar publicação futuras para o campo da História da Arte e da Ciência;

 

 

Sobre o evento

Público alvo

Pesquisadores e especialistas que atuam na temática do evento.

Historiadores, arquitetos, museólogos, restauradores, turismólogos e demais profissionais.

Estudantes de pós-graduação e graduação

Moradores da cidade de Mariana

Público em geral

 

Objetivos

 

1 - Aprofundar discussões e análises sobre temas atuais no campo da História da Arte, da história da ciência e da História da Cultura

2 - Desenvolver novas metodologias de pesquisa

3 - Desenvolver novas  formulações teóricas nesse campo do conhecmento

4 - Proporcionar condições de realização de trabalhos conjuntos entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros e alunos de pós graduação

5 - Organizar publicação de pesquisadores brasileiros no campo da História da Arte, da ciência e da História da Cultura

 

 

 

Justificativa

 

Dentre os inúmeros congressos sobre História da Arte a pintura teve pouca participação como protagonista. Relacionada com a perspectiva, com a quadratura, com a cenografia, com a arquitetura e também inserida numa secção da história da ciência, foi através de tratados desde o século XVI que a pintura iniciou seu percurso ganhando cada vez mais um sentido glorioso, amplamente definido entre os séculos XVII e XVIII. Era a fase em que passava a ser inserida em textos científicos próprios, diversificando suas especificidades desde as questões técnicas até a produção pictórica da forma. Foi assim que a pintura se posicionou entre as linguagens mais expressivas da civilização da imagem e segue como uma das questões mais desafiadoras. Repleta de questões sociais, filosóficas e religiosas, políticas e sociais, a pintura abarca desde as representações figurativas até a elaboração de uma construção espacial evidenciada nas falsas arquiteturas aplicadas em paredes, tetos abobadados ou em cúpulas, onde os aspectos técnicos são prioritários e não podem ser transcurados.

 

Os conhecimentos dos textos pertinentes à pintura, às questões dos tratados, às variações de técnicas, modelos ou formulários, envolvidos no conceito de “operatividade” estão nitidamente explorados nos centros de produção artística, seja ele o dos grandes mestres ou das mais simples oficinas. O seu universo produtivo avança não somente dentro do continente europeu, mas alastra para a América Portuguesa, América Espanhola, como ainda é evidente a sua manifestação na China

 

Assim, é fulcral iniciar um estudo mais ousado que aborde essencialmente o mundo europeu, mas, contemple igualmente, a difusão deste espectro científico na América e no Oriente. O diálogo científico terá aqui o seu paralelo com o debate cultural. Entretanto, a arte e a técnica estão juntas. Há arte na técnica e técnica na arte. Igualmente há ciência na técnica e técnica na ciência. Interessante notar que, contrariamente aos gregos que separavam radicalmente episteme (ciência) de techné (técnica/arte), o homem moderno irá unir episteme e techné para criar a ciência moderna (scientia). Com efeito, ciência, técnica e arte, embora se apresentem como domínios distintos, têm suas histórias e seus processos de elaboração imbricados. Para a efetiva compreensão da arte torna-se necessário, sob diversos aspectos, a compreensão da técnica e da ciência a ela relacionadas.

 

 

 

Estrutura do Evento

A programação do Colóquio está estruturada de maneira a evitar a ocorrência de atividades paralelas afim de permitir aos participantes uma maior presença diária nas atividades programadas e favorecer a discussão crítica dos temas abordados.

O Evento organiza-se nas seguintes atividades:

 

Conferências magistrais de professores e pesquisadores convidados: Estarão presentes no evento profissionais de renome nacional e internacional nas áreas afins do Colóquio, que envolvem Arquitetura, Belas Artes, História da Arte e História do mundo luso–brasileiro e europeu. As conferências serão organizadas em dupla, de forma que as falas de cada conferencista se alternarão durante as sessões de trabalho e ao final haverá abertura para debate.

 

Publicação de trabalhos acadêmico-científicos: será feita chamada de publicações, que contemplarão os temas em foco no Colóquio. Os artigos completos aprovados pela Comissão Científica do Evento, serão publicados nos Anais do Colóquio, disponibilizados via meio impresso (Livro de Anais) com registro e ISBN.

 

Mini-curso: realização de um mini-curso sobre História Urbana do século XVIII, voltado para professores da rede pública de educação da cidade de Mariana

 

Atividades de educação patrimonial: Atividades de educação patrimonial para alunos da rede pública de educação e moradores de Mariana, com programação exclusiva, organizada pela Academia Marianense de Letras.

 

Lançamento de livros: Durante o evento haverá lançamento e venda de livros.

 

Programação cultural: Visita a exposições e bens culturais da cidade de Mariana, com programação exclusiva, organizada pela Secretaria de Cultura de Mariana.

 

Visitas guiadas: realização de visitas guiadas a monumentos histórico-arquitetônicos da cidade de Mariana e distritos, e obras de Manuel da Costa Ataíde. Integrando ainda a programação, será oferecido um passeio cultural ao Centro de Arte Contemporânea Inhotim, com saída de Belo Horizonte em 31/10/2017.

 

Jantar de confraternização: Jantar de confraternização, por adesão, para os participantes do Colóquio.

 

 

 

 
Eixos Temáticos

 

1 - A arte e sua relação com o meio cultural: questões históricas, filosóficas, culturais e artísticas

 

2 -  A conexão da pintura com os trabalhos de restauro e conservação: um olhar atual

 

3 - A importância da literatura artística como reflexo teórico nos procedimentos práticos da produção artística

 

4 - As especulações técnicas e as experimentações artísticas entre os séculos XVII e XIX